Lucro global da bandeira Visa cai 23%, mas supera expectativas



Visa tem primeira queda de receita desde que abriu capital na bolsa em 2008.

Nesta terça-feira (28/07/2020), a bandeira Visa divulgou aos investidores seus resultados financeiros do segundo trimestre de 2020. De acordo com o documento, a Visa reportou queda de 23% no lucro trimestral; queda que foi atribuída a redução do consumo devido às medidas restritivas impostas em alguns países, bem como pelo alto índice de desemprego global.

Bandeira Visa

Como não poderia ser diferente, bandeira Visa também foi impactada pela redução global do consumo.

No segundo trimestre que se encerrou em 30 de Junho de 2020 com um lucro líquido de 2,37 bilhões de dólares, o que corresponde a US$ 1,07 por ação da classe A. Para efeitos de compensação, no mesmo trimestre do ano anterior o lucro líquido foi de 3,10 bilhões de dólares, número que corresponde ao valor de US$1,37 por ação da Classe A.

O valor de US$1,07 por ação da classe A superou as expectativas do mercado, visto que os analistas estavam prevendo uma queda mais acentuada perfazendo, em média, US$1,03 por ação, segundo dados da Refinitiv.

Esse foi o primeiro trimestre em que se pôde verificar os reflexos das paralisações ocasionadas pela quarentena e/ou lockdown adotadas por muitas cidades ao redor do globo.

Além do lucro líquido, a Receita Líquida também caiu significativamente, de acordo com o documento, a queda foi de 17%, para US$ 4,84 bilhões.

PRIMEIRO DECLÍNIO NA RECEITA DESDE QUE A VIDA ABRIU CAPITAL NA BOLSA

Para se ter uma ideia da dimensão desse impacto, os números marcam o primeiro declínio ano a ano na receita trimestral e no lucro líquido desde que a empresa abriu capital na bolsa em 2008 e se tornou a maior rede de pagamentos do mundo.

A queda do consumo foi refletida globalmente, o que contribuiu para a queda no lucro da bandeira Visa no segundo trimestre de 2020.

Com a retomada gradativa da economia global, mesmo que de forma lenta, a tendência é a receita trimestral e o lucro líquido da bandeira comecem a se recuperar no terceiro trimestre de 2020 à medida que o consumo volta.

Praticamente quase todas as empresas que processam pagamentos vêm reportando uma queda no consumo e, consequentemente, redução no faturamento. Além de problemas financeiros, muitos consumidores estão cautelosos, reduzindo gastos devido às incertezas financeiras e pelo temor de uma segunda onda.





Secured By miniOrange