Mercado de maquininhas pode ser impactado com a chegada do Pix



Pix é tão revolucionário que pode acelerar o fim do cartão de plástico no Brasil e, consequentemente, impactar no negócio das credenciadoras que não se adaptarem a mudança.

O Banco Central está com pressa de lançar o Pix, um sistema de pagamento instantâneo que, na visão do próprio órgão regulador, deve revolucionar o mercado financeiro do Brasil. O sistema de pagamento e transferências promete ser um dos mais eficientes do mundo, de acordo com informações divulgadas, será possível transferir dinheiro instantaneamente para qualquer pessoa, independente do dia e do horário.

câmera do celular no QR Code

Simples e ágil como tirar uma foto, essa é a principal promessa do Pix do Banco Central.

O Pix é tão revolucionário que ele pode ameaçar o reinado do tradicional mercado de cartões, não tanto as administradoras de cartões de crédito, mas sim o mercado de maquininhas.

O lançamento do Pix pode antecipar o que já estava marcado para acontecer: o fim dos cartões de plástico! Pois o sistema vai permitir que qualquer pessoa envie ou receba dinheiro usando apenas um smartphone.

Ademais, o sistema a ser lançado pelo Banco Central promete ser mais vantajoso para os estabelecimentos. De acordo com o órgão, as transferências entre Pessoas Físicas serão gratuitas e ilimitadas; já os pagamentos com finalidade comercial poderão ser cobrados pelas instituições, mas a tendência é que esse custo seja muito inferior ao cobrado pelas credenciadoras de cartões.

A seguir apresentamos 10 razões pela qual o Pix pode impactar no mercado de cartões:

Motivo 1 – Fim da necessidade de plástico

O Pix permitirá que pessoas e estabelecimentos recebam pagamentos por QR Code, fazer um pagamento deve ser tão simples como tirar uma foto, isso deve contribuir para que o brasileiro se adapte aos pagamentos digitais, consequentemente, a tendência é que os bancos e as administradoras de cartões deixem de emitir cartões físicos.

Hoje as empresas de cartões gastam milhões com a impressão de plásticos físicos, já pensou o quanto de dinheiro as instituições financeiras poderiam economizar caso a maioria dos consumidores utilizassem o débito ou crédito via aplicativos?

Motivo 2 – Sistema é mais barato do que o das maquininhas

Para popularizar os pagamentos digitais o Pix deve permitir que pessoas e estabelecimentos recebam pagamentos com baixo custo. Um estabelecimento, por exemplo, poderá receber pagamentos (inclusive no crédito) sem a necessidade de comprar ou alugar uma maquininha.

Além disso, as próprias empresas de cartões de crédito tendem a se juntar ao sistema de pagamento instantâneo do Banco Central para permitir que os consumidores façam pagamentos usando o QR Code do órgão que, aliás, possui até mesmo um padrão próprio, o BR Code.

Motivo 3 – Ao contrário das maquininhas, o dinheiro cai instantaneamente

Esse deve ser o motivo que deve estimular os estabelecimentos a popularizarem o Pix como forma de pagamento. Ao contrário das maquininhas em que o dinheiro das vendas pode demorar mais de trinta dias para cair na conta do estabelecimento, com o Pix o empreendedor poderá receber o valor da venda na hora, em até 10 segundos, independente do dia e do horário em que a transação comercial ocorrer.

No caso das maquininhas o empreendedor até tem a opção de receber entre 1 e 3 dias úteis, mas para isso precisa aderir a ANTECIPAÇÃO DE RECEBÍVEIS, cuja adesão significa que o estabelecimento terá que desembolsar uma taxa ainda maior sobre o valor das vendas.

Motivo 4 – Vendas à distância

O quarto ponto que deve ajudar o Pix a se popularizar no país é o fato do sistema criado pelo Banco Central já estar preparado para a era digital! Com os pagamentos instantâneos as pessoas e os estabelecimentos poderão vender à distância, algo que elimina a necessidade de contato físico para que a operação comercial seja realizada.

O Facebook, por exemplo, já demonstrou um forte interesse em integrar a sua solução de pagamento no WhatsApp ao sistema de pagamento instantâneo do BC.

Hoje as empresas precisam investir em gateways de pagamentos para vender à distância com cartões, algo que não está acessível aos pequenos empreendedores.

O novo sistema é revolucionário pois permite que qualquer pessoa com um smartphone envie e receba dinheiro sem a necessidade de estar próximo.

Motivo 5 – Várias formas de pagar

Outro ponto interessante é que o sistema de pagamento instantâneo brasileiro permitirá que as pessoas enviem dinheiro de várias formas: por QR Code, e-mail, número de celular, CPF/CNPJ e até pelas redes sociais.

No dia 05 de Outubro de 2020, será liberado o cadastro de uma chave de acesso ao Pix, basicamente isso quer dizer que as pessoas e empresas poderão vincular ao CPF ou CNPJ várias informações para permitir transferências instantâneas de forma simplificada, será possível vincular o número de celular e até o e-mail.

Ao fazer a vinculação de um e-mail ou número do celular o sistema do Pix identificará automaticamente que aquele dado pertence a um determinado CPF ou CNPJ, o que evita que o consumidor tenha que informar várias informações para conseguir enviar dinheiro para uma pessoa ou empresa.

Motivo 6 – Pagar será tão rápido quanto tirar uma foto

Graças ao novo padrão brasileiro de QR Code – BR Code – as pessoas e as empresas poderão fazer um pagamento de forma tão simples quanto tirar uma foto, bastará usar a câmera do celular para “ler” o QR Code que automaticamente serão preenchidas as informações necessárias para que aquele pagamento aconteça.

O QR Code já está se popularizando no Brasil graças à forte investida da Cielo, PicPay, iti do Itaú, PagBank, Rede e várias outras empresas. Além disso, o Auxílio Emergencial do Governo Federal fez com que muitos brasileiros experimentassem o código QR pela primeira vez.

O QR Code do Pix poderá ser utilizado de várias formas nos estabelecimentos, poderá ser impresso e colado no caixa; integrado à maquininha de cartão, mostrado no computador ou ainda apresentado através de um smartphone.

Motivo 7 – Fim do contato físico no processo de pagamento

A pandemia fez com que as pessoas buscassem formas para evitar o contato físico o máximo possível. Hoje até os pagamentos com cartões podem ser realizados por aproximação e, para transações de até cem reais, sem a necessidade de inserir a senha na maquininha.

Seja usando QR Code, e-mail, CPF/CNPJ ou número do celular, pelo Pix as pessoas poderão pagar com o mínimo possível de interação física.

Motivo 8 – Saques em lojas

Além de permitir pagamentos, o novo método de transferência também deve viabilizar saques em estabelecimentos comerciais. Essa novidade deve beneficiar tanto os consumidores, que ganharão pontos mais próximos para sacar dinheiro em espécie, quanto os estabelecimentos que poderão usar os consumidores como alternativa às empresas de transportes de valores.

Em estabelecimentos comerciais é comum que muitos empreendedores tenham que ir diversas vezes aos bancos para depositar os valores recebidos em espécie; com o Pix existe a possibilidade de usar os próprios consumidores para depositar a moeda fiduciária nos bancos e instituições financeiras.

Motivo 9 – BR Code ajudará na bancarização dos brasileiros

O Banco Central também espera que o Pix ajude na bancarização dos brasileiros, pois tal sistema ajudará na inclusão dos consumidores no sistema financeiro, mesmo aqueles que ainda não possuem uma conta em banco.

Com o BR Code (padrão brasileiro de QR Code) qualquer pessoa poderá baixar um aplicativo e criar um QR Code pessoal vinculado ao número de CPF (Cadastro de Pessoa Física) ou CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) para enviar e receber dinheiro sem burocracia.

Embora seja possível obter um cartão de débito, crédito ou pré-pago sem a necessidade de abrir conta em um banco, o Pix deve acelerar esse processo ao permitir que as pessoas recebam dinheiro pelo QR Code pessoal mesmo sem ter uma conta bancária.

Motivo 10 – Pix terá que ser adotado pelas empresas

Por fim, outro ponto que deve impulsionar a popularização do sistema instantâneo de pagamento do Banco Central é o fato do Pix ser obrigatório para todas as empresas que possuem mais de 500 mil clientes, o que contempla a vasta maioria de todos os bancos e instituições financeiras que atuam no Brasil.

Até mesmo as empresas de menor porte aderiram ao sistema de pagamento do BC mesmo se estarem obrigados, pois elas sabem que o sistema tem potencial para revolucionar o sistema financeiro do Brasil.

Felizmente muitos bancos e empresas de cartões estão percebendo essa forte tendência de digitalização dos pagamentos e, consequentemente, o inevitável fim dos cartões de plástico. A Cielo, por exemplo, já permite pagamentos por QR Code e até com cartões virtuais em suas maquininhas.

Cielo QR Code Pay

Máquinas da Cielo agora aceitam pagamentos sem cartão via QR Code. Pague com seu aplicativo favorito direto na maquininha (divulgação / Cielo)

A Rede, do Banco Itaú, também já aceita pagamentos com código QR, mas apenas de seu próprio aplicativo, o iti.

PagBank, SafraPay, Stone e diversas outras credenciadoras já aceitam ou pretendem aceitar pagamentos por QR Code em seus equipamentos.

É nítido que os cartões de crédito não deixarão de existir, pois o crédito e o parcelamento ainda é muito importante para o consumo. O que mudará será a forma como que esse “crédito” será utilizado no dia a dia: sem o tradicional cartão de plástico.

Agora só nos resta esperar para ver o que acontecerá assim que o Pix for lançado pelo Banco Central. Cabe lembrar que o órgão regulador antecipou o lançamento, anteriormente estava previsto para ser lançado em 03 de Novembro de 2020, mas, recentemente, o BC divulgou que o sistema vai ser liberado para utilização já no dia 05 de Outubro de 2020.





Secured By miniOrange